terça-feira, 21 de julho de 2009

O piu piu grande e preto


[ Esta história é verídica ]

Era uma vez um piu piu grande e preto.
Ele antes de ser feio era bonito, mas depois ficou magro e não sabia cantar e sofria de incontinência e estava subnutrido.

Um dia, o piu piu grande e preto, sentindo-se triste, muito sozinho e farto da vida miserável que levava decidiu suicidar-se.
Bicou incansavelmente a sua própria barriga até começarem a sair as suas finas tripas cá para fora... e morreu.

Fim. **

19 comentários:

Azelpds disse...

gosto muito desta última ilustração. :)

liliana_lourenco disse...

Obrigada! :)

**

Anna Molly disse...

er...gosto muito das borboletas!! Vou tentar não sonhar com o pássaro suicida!

Olha, a minha caturra é apaixonada pelo baloiço dela, às vezes vejo-a a aninhar-se lá, com um ar todo satisfeito.

liliana_lourenco disse...

Se sonhares com ele garanto-te que ele não vais estar como está aqui. :)

A tua caturra deve ser engraçada. :)

**

dina disse...

gaita, e não o conseguiste salvar quando ele começou a ficar "feio"?
deste não gostei, só das borboletas

liliana_lourenco disse...

Não. Porque 'eu' não o achava feio. :)

**

Anna Molly disse...

Tens novo look no blog :)

Gosto muito muito muito!! ;)

Fazendo das palavras da Rena minhas: "A lili é a maior!!! :D

liliana_lourenco disse...

Ehehe! :)

Já estava um bocado cansada do outro 'cabeçalho'.

Quando me fartar deste mudo novamente. :)

**

Maria madeira | António rodrigues disse...

Muito bonito o novo look!
A história triste mas verdadeira...mais vale morrer do que viver morto! ;)*

M.

liliana_lourenco disse...

Obrigada Maria! :)

E sim, por vezes é isso mesmo. :)

**

7ze disse...

Ei... uma pessoa não pode distrair-se e aparecem montes de novidades! o corvo suicida! lindo, esotérico e fatal; boa, miúda! ocorrem-me várias analogias...

Prometeu agrilhoado, que, por ter roubado o «fogo sagrado» (a inteligência) aos deuses, foi condenado a ver as entranhas eternamente bicadas (foi-lhe concedida a regeneração, para sofrer eternamente) por corvos.

E o último grau da iniciação masaï, a dança de buana fizi. Esta etnia do Quénia, hoje quase extinta por força dos tempos e do álcool, era «predadora» e guerreira. Aos doze ou treze anos, os rapazes, que até aí tinham vivido em comunidade com as raparigas da mesma idade, eram (simulada e) violentamente raptados (com a conivência das mães, que se fingem desesperadas) por elementos disfarçados, sendo atirados para covas, onde passam um dia ou dois sem comer, beber, ou ver luz alguma; quando saem, ainda meio aturdidos, eram-lhes ministrados alguns conhecimentos tradicionais estruturais, sendo depois admitidos na comunidade dos homens após cerimónia religiosa apropriada, recebendo um escudo em branco.

Ao longo da vida tinham de prestar várias provas relacionadas com a sua virilidade e argúcia; o ante-penúltimo grau era matar um leão (buana simba); o penúltimo, um homem (inimigo da tribo); e o último a dança de buana fizi; fizi é hiena na língua franca africana; mas que custa matar uma hiena, perguntarão... ora, é uma matança muito especial, esta; quase ritual, o deste bicho meio odioso, pelo seu irritante riso sarcástico e necrófago (que me perdoem os defensores dos animais), por isso lhe chamaram «dança»; uma espécie de tourada, vá!

Trata-se de chegar por trás da hiena, sem ela dar por nada; depois, a lança deve partir sem um silvo; deve acertar por entre as pernas traseiras da hiena (e parecer que falhou), rasgar subrepticiamente a barriga, de forma a que as entranhas comecem a pender; a hiena, como é estúpida, ao ver umas tripas, começa a correr atrás delas, sem perceber que são as suas, descrevendo círculos concêntricos cada vez mais apertados, vindo morrer no centro; eis a dança de buana fizi.

Esta metáfora anatropológica demonstra à saciedade como as coisas realmente importantes são sempre algo algo fútil.

Como a vida?

*****Q (medalha 5 estrelas)

7ze disse...

Este cãobeçalho pertence a outra ansiosa, que não a do anterior avatar. Um pouco negro; quando o teu futuro é risonho... Espero não ter motivos para ficar preocupado, com estas chicotadas identitárias!

Julgo que o terceiro elemento dessa ilustra, a cadeira, era o mais adequado; estás à espera, podes sentar-te a qualquer momento, se estiveres cansada; pode alguém sentar-se...

Já o avatar, se não tivesse aquele segmento rosa quase imperceptível, teria tendência a parecer banal; vendo bem, aparecem reflexos quase aquilinos (de água, não de águia)...

Um beijo grande, se me permites

liliana_lourenco disse...

Obrigada 7ze, pelos comentários. :)

**

paletadesonhos disse...

podemos ajuda-lo antes de morrer ? podemos ... eu gostava
:)

liliana_lourenco disse...

Por vezes quando não se quer ajuda não podemos fazer muito. Creio que foi o que aconteceu com ele.

Ele agora será mais feliz com toda a certeza. ;)

**

paletadesonhos disse...

bem, se é assim ... há que respeitar
;)

liliana_lourenco disse...

:) **

Filipa disse...

Liliana adoro o teu trabalho. Vou seguir a partir de agora. Sou uma pequenina aluna de artes no 12.º patamar do purgatório (quem me dera que fossem todos tão cálidos...)e vou propor um trabalho relacionado com um autor. E és a minha escolha. já agora, compaixão, o meu hamster comeu as patas e morreu de infecção e tumores pelo corpo todo...

liliana_lourenco disse...

Olá Filipa. :)

Obrigada pela visita. Sinto-me inteiramente lisonjeada com o teu comentário.

Qualquer coisa que precises para o teu trabalho podes falar comigo por aqui: vai.mas.volta@gmail.com
Terei muito gosto em ajudar-te.

E.. lamento pelo teu Hamster. :)

Eu também tive Hamsters. Muitos!! Parecia uma praga.. :) Tudo começou com a Gulosina e o Toy. O resto já se sabe. ;)

Beijinhos e boas aulas.

**